Pega no livro

Clubes de leitura da Galiza com algum livro em português

AVELINO DÍAZ: POETA DA GALIZA EMIGRANTE

Antom Labranha

Nasce Avelino no ano de 1897 no lugar da Travesa, na freguesia de Santa Comba da Órrea, concelho de Riotorto (Lugo). Com sua família trasladar-se-ia para Meira quando tinha dez anos e, pouco depois, com apenas doze, começa o seu périplo como emigrante. Um parente havia levá-lo trabalhar para os Buenos Aires da Argentina, e lá vai ele, expectante e resignado coma moço cumprido: 

Avelino 1

“como se me dissessem que fosse sachar nas patacas ao leiro ou levar as ovelhas ao monte”.

Volve para Meira em 1916, onde subsiste fazendo de mestre em três aldeias da contorna – sem acreditação oficial, o que era frequente naquele tempo-  e indo ás segas a Castela.
10 euros x 7 cópias

Avelino3

Quatro anos após volta  a emigrar, desta vez para Cuba. Porém, non havia encontrar na ilha caribenha o afamado paraíso dos colonizadores -de mítica abundancia e riqueza- senão que iria sofrer as duras condicões de miséria e repressão pelas quais passavam os trabalhadores. Dois anos depois decide volver a Buenos Aires, onde se estabelecerá definitivamente.

Enchoupado de saudades, no corpo e na alma, relaciona-se de contado cos círculos intelectuais galegos na emigração, nos que vai participar ativamente e aos que vai ir achegando unha produção poética salientável.

Membro do Centro Gallego e da Unión Gallega, destacado orador e conferencista, incorpora-se á Irmandade Galega desde onde realiza reiterados pronunciamentos contra o fascismo espanhol e a favor do reconhecimento do feito nacional galego.

Á intensa atividade como impulsor e dinamizador do associacionismo junta unha prolífica produção jornalística. Publica em diferentes revistas editadas na diáspora, como El Despertar Gallego, A Nosa Terra, Lugo, A Fouce, Verba…

No centenário da publicação dos “Cantares Gallegos” (17 de maio de 1963, data que dá origem ao Dia das Letras Galegas) escreve para Rosalía de Castro um muito formoso poema.

Avelino4

Unha rosa pra ti, Rosalía

con galega fidel devoción

en homaxe das rosas nacidas

na verde roseira

do teu corazón.

(de UNHA ROSA)

Foi homenageado, em múltiplas ocasiões, por diferentes agrupações e instituições do mundo da emigração. Na homenagem que a Irmandade Galega lhe ofereceu em dezembro do 47 intervieram Manuel Puente e Castelao, de quem sentiria fundamente a sua morte (quando finou -no 1971-, Avelino foi soterrado cabo de Castelao e Suárez Picallo, no Panteão do Centro Gallego).

Xaneiro de ruín Vrao

que nos fire e nos abura

cunha lapa de tristura

desque se foi Castelao.

(de XANEIRO)

VOLTA ONDE NÓS COM O TEU AGASALHO VENTUREIRO

Avançada a década dos noventa -do passado século XX– parentes e vicinhos de Avelino decidem iniciar o processo de recuperação da sua memoria e da sua obra. Ele já não pôde voltar em vida, pero sua alma segue caminhando entre os tojos e as giestas de esta Galiza malfadada à espera de encontrarmo-nos um dia.

Avelino5

Avelino na casa dos seus descendentes, em 2014.

Xesteiras de Santacomba,

donde andiven de rapaz,

toxal da serra de Meira,

quén vos puidera mirar!

(de AS XESTAS)

I-ademais non me resolvo

pol-amor de que ó volver

non me poidan conocer

i-é por eso que non volvo.

(de CARTA PR-Á TERRA)

Na fronte da casa unha placa rememora o seu nascimento, o seu aquele feitio de poeta, o seu humanismo, o seu compromisso aldeã e a sua universalidade. Há agora um sinal, unha “pedra chantada” que o lembra, que o traze ao memento, a essa memória coletiva que é, ao cabo, a Pátria:

Que froreza nos prados feiticeiros

a gama de choridas máis fermosa

e que medren nas valgas i-ós outeiros

verdescentes ramallos de loureiros

pra coroar túa frente maxestosa.

(de ¡MIÑA PATRIA!)

Ajuntar a sua obra á sua lembrança, espalha-la e dá-la a conhecer por aldeias, vilas e cidades, é agora o anseio de quem ata aqui tinha chegado. Implicar as instituições que nos representam ata podermos alcançar o reconhecimento pleno deste nosso egrégio poeta: “Um dia das Letras para Avelino” converte-se num desafio ao que dia a dia se sumam mais pessoas, coletivos e entidades.

Direiche do meu achego

neste meigo falar noso

pois é doce e é mimoso

falar de amor en galego

(de EIDO NOVO)

Avelino6

A ÓRREA DESVENDA NO SEU NOME SUA PAISAGEM

Montanhas vertiginosas proclamam a sua prevaleça na procura do céu, esse não-lugar que nos conforta. As abas descendem apressuradas cara o fundo distante no qual se debuxa o rio Mourín, que estorce caprichoso e melancólico seu leito, dilatando a sua presença, para mais ficar …latejando

avelino7

Desde a janela, límpida, da rústica, humilde, casa que olhava cara o sul, o menino olhava a tona da terra escorregar com a chuva tempestuosa que bulia endoidecida à procura daquele rio persuasivo. Arrastando consigo a fertilidade, a terra pousava nas sebes e silveiras dos cômoros que interdiziam seu caminho, barrelas onde a enxurrada era contida. Logo de escampar o inverno todo, começava o labor regenerador: em cestos e canastros, a aldeia toda -suarenta, derreada- acarretava costa arriba a terra fugidia que precisavam para a sementeira.

Colleitas non abondosas

cada ano máis pequenas

terra que as augas levaban

cando viñan as tormentas

pró río, polas encostas

deixando soio penedas.

(estrofas de ESPELLO ALDEÁN)

Avelino8

Xentes sempre consumidas

coma escravos de galeras

collendo toxos no monte

levando esterco prás leiras

carregando sempre feixes

naquela terra costeira

na que nin carros había

porque se deitaban nela.

Na outra beira ergue-se a serôdia capela. A rente, o cemitério, onde as almas aguardam pelo dia, novo, no que os sinos repenicarão, Avelino, na tua memória. Para o outro lado, no campo da feira trata-se o gado; comerciam-se mercadorias; intercambiam-se alentos, amores e desejos; transmitem-se noticias, contam-se histórias, arranjam-se lendas. Fundam-se mitos.

Avelino8

I ANDAINA POR AVELINO

Vizinhos idosos que ainda te lembram, ou que crêem lembrar-te, vêm chamar-te à porta. Porque Ti também hás vir nesta romagem. Parentes pelo sangue, pela terra, pela dor, pela miséria compartida, pela epopeia migratória, pela língua subjugada, pela nostalgia da palavra ceivada, pelo verso imensurável… todos por junto numa soa voz, clara, impetuosa, reja, que na Galiza inteira se escute.

O itinerário havia-nos levar ao lugar da Pena, cabo de Meira, à casa para que foram viver aquando ele tinha nove anos.

Cando na patria, redento, me vexa

d-este pesar que me da desazón,

cando no morno regazo me teñas

heiche cantar a mais leda canzón.

(de MUIÑEIRA)

Isto é apenas o início dum longo caminho: uma andaina que hoje vai fazer parada em Meira mas que haverá de continuar, multiplicando-se, espairecendo-se por chairas, vales e montanhas, até cruzar o oceano que nos abrange.

Por volta da uma da tarde entramos em Meira. Era dia de feira. A pé do milenário mosteiro, aldeãos, vilãos e visitantes misturavam-se entre as bancas dos feirantes que comerciavam produtos da horta; artesanatos antigas em barro ou ferro; vestes, saias ou calças dos mais variados e coloridos tecidos… Avançávamos entre a balbúrdia da concentração, absorto o pessoal nos afazeres próprios. De súpeto advertem a nossa chegada e a um instante de silencio cerimonial sucede-lhe imensa ovacione que soava certa, que continha os ecos antigos duma historia por contar.

Avelino9

E lá estavam –não podiam faltar!- gaiteiras, pandeireiras e bailadoras, jungindo-se a nós coma quem se substancia e dignifica num grito irrefreável.

avelino10

Hei, Carvalheira!

Xa está o gaiteiro

ó pe do cruceiro

soprando no fol,

i-o tamborileiro

petando lixeiro

lle sigue seu son.

(FESTA DE MEIRA)

avelino10

Nove ferreñas” interpreta, por elas musicado, o poema de Avelino Canzón pró sono dun neno“:

Polas valgas i os outeiros

a soma da noite cai

i un agromar de luceiros

o ceio amosando vai.

E zoa, zoa, zoa, zoa zoando

o vento polas veigas vai marmulando.

……. 

E durme, durme, durme, durmindo

Xa durme no barrelo meu anxo lindo.

Almoçamos á sombra de carvalhos, castanheiros, nogueiras e vidoeiros, com a frescura do arrolo novo do rio Minho.

¡Se xa na ponte de Meira

semellas ser un lanzal

mozo, que canta cantigas

i-ó lonxe vai troulear!

(de RIO MIÑO)

Ana Veiga, sobrinha de Avelino lê AS XESTAS. Em lembrança

Avelino12

Que relembros me viñeron

que deseios de voltar

outra vez á terra miña

ver xesteiras e toxals!

Miguel, nado na Órrea, lê O MEDO. Para ganharmos o futuro.

Tiven polo mundo adiante
muito medo a me perder
e, cando me tope en Meira,
non teréi medo a morrer.

Para sabermos máis podemos consultar o libro “Avelino Díaz: Unha voz comprometida na Galicia emigrante” de Marivel Freire, editado pelas “Brigadas en Defensa do Patrimonio Chairego” (Lugo 2002) ou visitar a web da asociación: avelinodiaz.gal

Anúncios

Autor: peganolivro

Clubes de leitura da Galiza com algum livro em português

Os comentários estão desativados.