Pega no livro

Clubes de leitura da Galiza com algum livro em português


Arrancou o clube de leitura “Lendo lendas”

Praza da Algalia de abaixo 7, Compostela, 28 de maio de 2012

Olá mamai, espero que esteais bem, eu também estou muito bem.

Desculpa se te escrevo com faltas de ortografia, mas bem sabes que só levo no novo centro de ensino da Galiza um mês e ainda não conheço bem a tua língua. Agora boto de menos que não tivesses tempo para ensinar-ma alá na Argentina.

Hoje tivemos a primeira reunião do clube literário “Lendo lendas”, e foi uma experiência agradável. Juntamo-nos oito companheiras e fizemos o plano de actuação para os próximos meses.

Estivemos a falar duma dúzia de livros e ao final escolhemos dous, “Microbios e outros paquidermos” de Fernando Díaz Catroverde, um paisano galego teu, para abril e maio, e “Inês de Portugal” de João Aguiar, que deixaremos para a juntança de julho.
Tu me contaras com saudade que no teu país sempre chovia, porém desde que cheguei não caiu nem uma pinga, de feito regressei a casa andando e fazia uma noite clara e estupenda para dar um passeio.

No grupo atopei-me com duas companheiras mais que queriam escrever e decidimos apresentar-nos ao certame literário de relato curto de Mugardos, assim que combinamos para o día 25 de abril com intenção de ir com um relatinho escrito e poder termos um inter-cambio de críticas. Aquí a gente e-te muito engraçada pois mesmo alguns dos que não querem escrever vão ajudar na leitura crítica dos relatos.

Deixo-te por hoje, um biquinho da tua filha que te quere, já te escreverei de novo depois da seguinte reunião.

Tchauzinho, Mafalda.
clubelendolendas@gmail.com

Anúncios


Poema de Añjela Duval

O Jaime deixou-nos este poema da poeta bretoa AÑJELA DUVAL, traduzido para galego-português e no original.

Os mil rostos do meu país.

 

Há tantas Bretanhas quanto bretões
Cada um deles leva a sua Bretanha
A sua Bretanha de bolso.
Oh Bretanha , a minha terra! Cadaquém canta
Do folclorista até o nacionalista
Sim, há inúmeras Bretanhas
É inútil tentar contá-las
Para ele, Bretanha são os santuários
Para outro, a musica do Binioù
Folklore ligeiro e danças
Outro admira as grandiosas pedras de Carnac
A mesa pétrea dos Sete Santos ,o menir de Pergat.
Para ela, as cofias de laços
E os coletes bordados.
Para outra a louça de Kemper
Para este artista é a mobília esculpida
Para este mestre são os livros, os registos;
Os símbolos nacionais
-¡¡papel da Bretanha¡¡-
Para o poeta ,os carreiros estreitos e mestos, o brejo
A torga, a dourada gesta.
As fragas cantoras, o estrondo do mar
O economista repara no nível das represas
As fabricas,os barcos de pesca
As couve-flores e …..os morangos¡¡¡.
E a Bretanha dos druidas?
A dos políticos?

A minha Bretanha não é para levar só no bolso.
A minha Bretanha é uma e toda ela.
A minha Bretanha é terra, céu e mar.
A minha Bretanha é alma , corpo , espírito.
É o coração da minha gente.
São os heróis de ontem,
Os heróis de hoje,
E mais os heróis de amanhã.
Imortal Bretanha¡¡

AÑJELA DUVAL.

Tradução de Caesoric.

Mil dremm va Bro

Ken lies a Vreizh hag a Vreizhad !
Da bep Breizhad e Vreizh !
— E Vreizh godell —
O Breizh va Bro ! a gan pep hini
Eus ar folklorour d’ar Broadelour…
Ya diniver eo Breizh :
Aner klask ar gont.
Da hemañ Breizh zo an Nevedoù
D’egile eo son ar binioù
Folkloraj skañv ha pardonioù,
D’unan all mein-meur Karnag
Taol-vaen ar Seizh Sant, maen-hir ar Pergad,
Da houmañ ar c’hoefoù dantelezh
hag ar jiletennoù voulouz brodet,
D’eben priaj Kemper
D’an arzour-mañ an arrebeuri kizellet
D’ar c’helenner-mañ : al Levrioù,
ar pladennoù, an arouezioù broadel :
ar Vreizh paper !
D’ar Barzh : an Hentoù don, al lannegi,
ar brugeier, ar balan alaouret, ar c’hoadoù o kanañ, ar mor o krozal.
D’an arboellour, ar c’hleuzioù rasket,
al labouradegoù, ar bagoù-pesketa,
ar c’haol-fleur hag ar sivi.
Ha Breizh an Drouized ?…
Ha Breizh ar Bolitikerien ! ! !
Va Breizh din-me zo unan hag anterin
Va Breizh din-me n’eo ket ur Vreizh godell.
Va Breizh zo Ene, Korf, Spered ha
Kalon va gouenn
Va Breizh zo Mor, Douar, ha Neñv
Va Breizh zo Harozed dec’h
Harozed hiziv
Harozed warc’hoazh
Breizh divarvel !…

5 a viz Here 1969, Pardon Itron Varia Rozera


PRÓXIMA REUNIÃO DO CLUBE DE LEITURA DE ANTIGOS ALUNOS DE PORTUGUÊS

 

Fica marcada para o dia 23 de Março, sexta-feira, às 20 horas no vestíbulo da EOI (Escola Oficial de Idiomas) de Compostela.

Dali iremos à sala de aulas que a direcção do centro nos tenha atribuído para celebrar o nosso encontro.

Quem quiser aderir ao nosso clube, só tem que apresentar-se lá e imediatamente será integrado nele sem ter que pagar nem um tostão como quota de entrada.

Animem-se! Nós gostamos de crescer.


Curiosidades do Carlos

 

1.- Como todos sabem, se alguém espirra na nossa presença, devemos, se formos bem educados, dizer: Jesús! (em espanhol católico) ou Salud! (em espanhol ateu). Como diziam os galegos do rural quando ainda não chegara a contaminação linguística? Alguém sabe? Hoje imitam ao espanhol ou traduzem dele: Xesús! Saúde!
Em português católico têm outra expressão: Santinho! Alguém a tem ouvido a este lado do Minho?

Santinho: Expressão que se dirige a alguém que acabou de espirrar para lhe desejar saúde (Dicionário Priberam ON-LINE)

Já agora, alguém colocou uma dúvida no ciber-dúvidas: se a que espirra é mulher, deve dizer-se: Santinha!?

2.- Todos conhecem a versão portuguesa do Happy Birthday, mas não há tantas pessoas que saibam que a homenageada deve cantar uma resposta de agradecimento àqueles que vieram dar-lhe os parabéns de praxe:

Parabéns a você
Nesta data querida
Muitas felicidades
Muitos anos de vida

Hoje é dia de festa
Cantam as nossas almas
Para a amiga………..
Uma salva de palmas

RESPOSTA:

Obrigado meus amigos
Do fundo do coração
Por me terem cantado
Esta linda canção

Este estrambote foi-me comunicado pela professora Dra. Maria do Carmo Pinheiro Mendes do Instituto de Línguas e Ciências Humanas da Universidade do Minho. Ela disse que apenas as crianças a levavam à prática mas, não é verdade que só crianças celebram aniversários? (eu odeio essa data: lembra-me os muitos anos que já fiz).

Carlos Campoi-Vasques da 1ª promoção do curso de português na EOI de Compostela