Pega no livro

Clubes de leitura da Galiza com algum livro em português


Queridos clásicos, lobo querido, querido Peter Pan

No passado 15 de março o clube da Cultura do País reuniu-se para falar de Vermella con Lobos, de Carmen Blanco. Na sessão de debate contamos com a presença da autora, que disponibilizou este texto relacionado com o livro, para divulgar no blogue. Foi publicado originariamente no número 10 da revista Fada Morgana, correspondente aos anos 2004-5.

Fique aqui o nosso agradecimento a ela por participar na sessão e disponibilizar o texto.

Imagem

Um momento da conversa em Lugo.

Queridos clásicos, lobo querido, querido Peter Pan

Carmen Blanco

Queridos clásicos, lobo querido, querido Peter Pan…, ámovos a todos, teño que dicir eu tratándose dos contos clásicos infantís e xuvenís, tanto os pertencentes á literatura tradicional como as grandes obras de autoría recoñecida, porque amo profundamente estas creacións, e ámoas de dúas maneiras, como creo deben ser amadas, coa intelixencia racional, polas profundas verdades que encerran, e coa intelixencia máxica, polos múltiples soños que gardan.

A miña nai contábame os contos tradicionais e os Contos das mil e unha noites e eu lía A sereíña, Peter Pan e os dous libros de Alicia e medrei namorada do lobo, de Simbad o mariño e de Peter Pan e sendo Carapucha Vermella e sendo a Bela Dormente do bosque e sendo Alicia no país das marabillas e sendo Simbad. Co tempo coñecín tamén as historias das sereas galaicas, das capitás ou das peeiras dos lobos, todas as historias reais e fantásticas dos lobos e da licantropía, de todas as sereas do mundo e das mulleres e dos homes que corren e bailan cos lobos e recrei amores de sereas e lobos mariños, de nenas e mulleres que dormen cos lobos e de lobos libres e mulleres libres que se aman e de sereas libres que se encontran con Ulises libres. Cando tiven a miña filla e lle contaba os contos clásicos tiña que irllos cambiando seguindo unhas novas historias cada vez máis libres, libertadoras, libertarias e liberadoras, porque ela quería e porque quería eu: aínda conservamos algún conto editado cun final cambiado engadido por min a man.

Os contos clásicos naceron para cumprir unhas determinadas necesidades creativas, tanto persoais como sociais e sobreviviron porque seguían cumprindo algunhas desas mesmas necesidades vitais, aínda que só fosen as máxicas ou as estéticas. De feito, os relatos tradicionais fóronse transformando segundo as distintas vontades de tempo e lugar ata que permaneceron fixados polas versións escritas. Mais uns e outros pasaron a formar parte do noso imaxinario occidental, como os mitos, e deron lugar a moi diversas versións e recreacións artísticas. Os clásicos sono se están vivos e están vivos se se recrean. A maneira primixenia de recrealos é contalos e recontalos sendo fieis a unha coñecida versión ou adaptándoos ás máis diversas necesidades comunicativas. Por suposto, o xeito máis doado de recrealos é lelos sen máis nas súas varias versións. Mais un dos modos máis creativos de darlles vida é reescribilos ou refacelos en calquera outro soporte artístico. Estas últimas recreacións, como as orais, poden ir desde a mera adaptación ata a crítica subversión, pasando pola simple homenaxe, aínda que toda recreación sexa sempre unha homenaxe, incluída a que dinamita a idea matriz.

En Vermella con lobos quixen facer por enriba de todo unha homenaxe a algúns dos contos clásicos que máis me gustaban, pero, por suposto, unha homenaxe todo o subversiva canto son eu, unha homenaxe dinamitadora intelectual de todo o poder que contiñan. Carapucha Vermella, Peter Pan, As mil e unha noites, A sereíña, Bucles de ouro ou Os tres osiños, Brancaneves, A bela dormente do bosque, Cincenta, Barba azul e Alicia no país das marabillas son, coa máis absoluta liberdade, contados, cantados, desencantados e voltos a encantar por min para que encanten de novo nuns novos tempos libres de poder. Foron feitos para min e pensando en min, para liberarme dos poderes impostos que tratan de impedir que poda vivir en liberdade; mais sobre todo foron feitos pensando na miña filla e en todas as mozas e os mozos merecedores dun mundo novo con contos novos no que os contos vellos se conten, lean e coñezan como as persoas ateas contamos, lemos e coñecemos a Biblia, como un marabilloso conto vello.Eu quixen facer unha homenaxe que o fose ás profundas verdades humanas que eses contos contiñan sobre o amor e a liberdade, e, de feito, Vermella con lobos reúne dez contos de amor e liberdade. Mais en moitos casos esas verdades estaban ocultas, amordazadas polas súas contrarias, o odio e a escravitude. Entón eu tiven que desconstruír, coa intelixencia do cerebro e do corazón, as historias, desde as súas máis remotas orixes, para que aflorase a súa verdade enterrada, que así saía, subversiva, á superficie, como a lava dun volcán en erupción, mostrando as cinzas desfeitas do poder que a ocultaba e brillando nela vermella a liberdade, que non pode existir sen amor.

 51+Qwv2JU5L._SY300_

Así Vermella con lobos contén dez contos libertarios contra todo poder e, polo tanto, tamén dez contos feministas contra o poder sexual e dez contos que falan, entre outras moitísimas cousas, de posicións de homes e mulleres no patriarcado no que, non o esquezamos, aínda vivimos, por moito que loitemos contra el e os seus velenos cada segundo das nosas vidas. “Vermella con lobos”, “Quérote, Pai Pan, dixo Tigridia”, “Os meus ollos falaban ao corazón máis fondo que o fermoso canto das escravas”, “Lugar para ti” e “O cuarto oculto” falan especialmente disto. O último denuncia, con amor, o intolerable maltrato do acoso e “Vermella con lobos” e “Os meus ollos…” son dúas parábolas do patriarcado que agardo que un día podan ser entendidas por todas as persoas.

Como o coñecemos hoxe o conto tradicional de Carapucha Vermella, por exemplo, trata os temas do deber, do pracer e do perigo, tal como os vía unha sociedade patriarcal, cristiá e agrícola-gandeira que temía ao lobo e que o tiña demonizado. Hoxe comprendemos o conto porque coñecemos como era e como é aínda esa sociedade residual, mais está claro que non produce os mesmos efectos que producía, polo menos non os produce no contexto dunha sociedade de cultura dominante urbana e mentalidade ecoloxista na que o lobo é un animal protexido e de grande atractivo, como todos os animais salvaxes. Mais, o conto é moi complexo e contén contos anteriores que trataban da relación de nais e fillas e avoas e netas, así como da chegada á puberdade das nenas e da súa educación represiva, en fin, da conflitividade das relacións das mulleres de distintas idades e do seu control dentro do patriarcado. Eu, muller progresista do meu tempo, collín todas estas historias e fixen un conto de amor libertario entre Carapucha e o lobo, unha historia que exalta o pracer anteriormente demonizado, unha historia na que a avoa lle dá a coñecer ese pracer á neta, unha historia na que a nai non lle prohibe o pracer á filla, unha historia na que os amantes se aman libremente mais coñecendo todos os riscos do amor, unha historia ecoloxista de amor aos lobos na que se lembran os nomes eufemísticos que a nosa lingua lle deu a este noso tótem e animal tabú… Mais fixen deliberadamente unha historia con dúas partes moi distintas para contar tamén outras historias de amor de final non feliz, porque é imposible o entendemento dos amantes sen liberdade total na relación, se os dous non se dan a plena liberdade mutuamente, unha liberdade dificilísima de acadar no patriarcado que nos ata. E fixen ademais unha historia tremendamente ambigua que puidese ser a historia de amor que a min máis me gustaba, mais eu creando déixome levar pola ousadía do pracer máis polimorfo e así fixen que puidese ser a historia de moitos amores e hai unha posible historia de amor heterosexual e outra de amor homosexual e unha de amantes iguais en idade e outra de amantes con moita diferenza de anos…

O caso de “Alicia en Galicia”, por poñer outro exemplo, foi moi distinto, pois Alicia no país das marabillas e Alicia do outro lado do espello eran xa unhas historias moi abertas e progresistas. O meu reto, para min absolutamente necesario, foi abrilas aínda moito máis para abrir tamén, se fose posible, o noso presente e o noso futuro. Collín o personaxe de Alicia, un emblema universal da liberdade, da utopía e dos soños, especialmente amado polo feminismo, e fíxena galega e púxena a soñar en Galicia, traspasando o espello dos reais desastres e horrores cotiás, os nosos malditos males endémicos creadores de pequenos infernos tristísimos, para facer de Galicia un lugar alegre e paradisíaco, o País das Marabillas e o Xardín das Delicias, onde habitaban con toda naturalidade a verdade, a liberdade, o amor e a beleza máis radicais e profundos, un lugar libre onde unha muller libre puidese soster sempre o sorriso, durante todas as idades da súa vida. O conto comeza seguindo a Shakespeare e dicindo “O amor nace, vive e morre nos ollos. Non o deixarei morrer”. Para que non morrese en min o amor a Galicia, asasinado unha e outra vez polos infernos sociais de cada día, para iso escribín este canto permanente de amor ao lugar, por se lle pode servir a alguén máis e, sobre todo, para propagar o bo que temos e para que algún día o lugar resplandeza todo coa beleza de Augas Santas, poño por caso, unha das nosas marabillas do mundo.

Os clásicos están vivos se valen para a vida e valen se os revivimos con amor mirándoos de novo cos nosos ollos. En Vermella con lobos mireinos cos meus ollos amorosos e escribinos de novo con verdades vivas de ficción preñadas dos meus soños. Penso que co meu acto a verdade resplandece, porque, como se di nas mil e unha noites, a verdade non está nun soño senón en moitos soños.

Anúncios


Festina lente (Marcos S. Calveiro)

festina-lente

 

Festina lente é uma história ambientada na Compostela do século XVI e no mundo do livro,

não chega a ser um romance de mistério, nem policiaco, mas tem breves traços de intriga, que estão alimentados com pequenas frases na gíria dos canteiros, o “arxina”.

Para a nossa honra, no clube contamos com uma neta de canteiros, que nos ajudou a traduzir a frase introdutória:

“Na oreteira xera Arria, e Arria xera onda Queicoa, e Arria xera Queicoa … “

“A auga ama a pedra, a pedra quere estar onda Deus, e a pedra ama o Templo”

(Quecoa: Deus, religião, o sagrado, templo)

Houve disparidade de opiniões sobre a satisfação da leitura; para todos os gostos: muito bom, meio bom, mau. A pontuação meia obtida foi de 6,1 sobre 10.

Todos compartimos que o autor fez um grande labor de documentação e que a época está muito bem retratada ao mesmo tempo que o ofício de livreiro.

No uso do vocabulário já houve dissensões, tivemos a quem lhe pareceu recarregado e a outros adequado por plasmar essas palavras que os galegos estamos a perder.

Em boca do autor, recolhido duma entrevista sua de há anos: “Para escrever uma história de época tenho de usar palavras que concordem com aqueles usos”.

Um outro reproche para este romance foi a falta de tensão na intriga, o livro começa com uma cena de mistério no cemitério, mas não se desenvolve com intensidade no resto do relato, pelo contrário, o livro parece intencionado a não narrar mistérios senão a aproximar-se a uma realidade histórica.

No lado positivo o texto vai ganhando interesse cara ao final e isso favorece um pouso de gosto que agradecem os leitores que conseguiram meter-se no mundo descrito nessas trezentas páginas.

A sessão estivo acompanhada de documentação correspondente á desaparecida muralha de Santiago de Compostela, um vocabulário da gíria arxina e uma entrevista ao autor realizada nos tempos em que publicou o romance:

http://img.geocaching.com/cache/2ffaa1b9-f538-47b7-a298-a541ad40c9cb.jpg

http://www.terrademontes.es/outras/dicciona.htm

http://www.fervenzasliterarias.com/index.php/de-actualidade/entrevistas/item/299-festina-lente-xerais-de-marcos-calveiro.html

http://todofluye.wordpress.com/2007/10/28/festina-lente/

http://bretemas.blogaliza.org/files/2009/06/xornada-adr-e-galix-canteiro-en-compostela.pdf

http://galicia.swred.com/artesan_canteiros.htm

http://amautacastro.blogspot.com.es/2008/08/arxina-fala-dos-canteiros.html

http://www.viravoltatiteres.com/UserFiles/pdfs/oscanteiros.pdf


A Casa do Rio Vermelho, de Zélia Gattai

Aproveitando que o nosso clubinho Léria se debruçava sobre os Capitães da Areia, de Jorge Amado, resolvi ler este A Casa do Rio Vermelho, de Zélia Gattai.

O livro relata o período em que Zélia e Jorge moraram juntos nessa casa da Rua Alagoinhas, em Salvador de Bahia, entre a década de 60 e a de 90 do século passado. No fim deste post, podem ler um excerto da passagem de Jorge Amado e Zélia Gattai pela Galiza. 

Para quem o queira ler, o livro está disponível na biblioteca Ângelo Casal.

Imagem

Filha de migrantes italianos, Zélia Gattai nasceu em São Paulo em 1916. Cresceu num ambiente de luta operária, entre migrantes portugueses, italianos e espanhóis – muitos deles galegos, previsivelmente. O livro Anarquistas graças a Deus dá boa conta deste período da vida da autora.

Zélia conhece Jorge Amado em 1945, no meio de uma campanha pela amnistia de presos políticos. O longo relacionamento que iniciou com o escritor bahiano irá até a morte deste, em 2001. O Rio de Janeiro, a Checoslováquia, Paris e, nomeadamente, Salvador, serão alguns dos cenários da vida em comum do casal.

A Casa do Rio Vermelho começa com a viagem do casal do Rio até Salvador, num Citroen ID19, que Jorge Amado batizaria como Cara de Sapo. João Jorge filho fazia então13 anos, e os pais resolvem mudar-se para a Bahia, assustados com o ambiente de violência que se vivia no Rio.

A primeira parte do livro narra as peripécias do casal à procura de uma casa, que acaba por ser aquela que dá nome ao livro. Para além do interesse na vida da Zélia e Jorge Amado, o livro dá-nos bons exemplos dos ritmos da vida em família no Brasil – uma família no mais amplo dos sentidos, com amigos sempre em volta, como o pintor Bahiano Carybé.

Imagem

Pela Casa do Rio Vermelho passarão, entre muitos outros: Simone de Beauvoir, Jean-Paul Sartre, Harry Belafonte (cantor de calypso), Sofia Loren, Pablo Neruda, Pierre Verger, Carlos Bastos (pintor), Amália Rodrigues, Dorival Caymmi, Vinícius de Moraes, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Mário Soares, e os escritores portugueses Ferreira de Castro e Fernando Namora. Um dos hóspedes habituais era o cantor Georges Moustaki, que compôs duas canções à Bahia, sendo que numa delas o próprio Jorge Amado é citado.

Imagem

Fonte da imagem: www.bahiaflaneur.net

O livro dá também boa conta das viagens de Jorge Amado e Zélia Gattai. Numa das primeiras que se relatam, a Cuba, o casal vai ter com o poeta Nicolás Guillén.

Nessa visita, Jorge Amado, comunista pouco ortodoxo, pediu para visitar um Terreiro de Candomblé em Havana. Ora, os camaradas cubanos respondem que já não há candomblé em Cuba:

Jorge quis assistir a um candomblé e eles disseram que não havia candomblés em Cuba. Num discurso de despedida, para uma grande plateia de intelectuais e de leitores seus, Jorge disse o quanto lamentava não ter encontrado um terreiro de candomblé em Cuba, o quanto repudiava o sectarismo e que não concordava com qualquer restrição religiosa, fosse ela qual fosse (Página 59)

Outras vertentes interessantes do livro são as relações com escritores portugueses; as alusões à ditadura que se iniciou em 1964; os filmes baseados em livros de Jorge Amado;  episódios como o do enterro do famoso cangaceiro Corisco; ou o processo de escrita de algumas obras de Jorge Amado, como os apontamentos autobiográficos de Navegação da Cabotagem.

Interessa também a própria autodescoberta de Zélia Gattai enquanto escritora, quando já tinha 63 anos. A sua escrita estaria marcada pela naturalidade da linguagem e a falta de pretensionismo literário, virtudes raras de encontrar.

Para finalizar, deixo aqui o excerto que diz respeito a uma passagem do casal pela Galiza, provenientes de Portugal e a caminho da Escandinávia. Achei engraçado que esta epígrafe leva-se por título Rumo à Dinamarca, como se fôssemos um barco prestes a partir para algum outro lugar.

Imagem

Fonte da imagem: colegioativoliterativo.blogspot.com

RUMO À DINAMARCA
 
Zélia Gattai, em A Casa do Rio Vermelho
 
Num Mercedes preto, com motorista e tudo, carro alugado em Lisboa, saímos numa viagem pelo norte de Portugal, atravessamos serras e planícies, passamos a fronteira com a Espanha. Nos divertimos constatando a diferença de caráter entre os vizinhos, tão próximos e tão distantes na maneira de ser.
 
Deixávamos Portugal e antes de atravessarmos a fronteira lemos numa parede: Um dia o sol brilhará para todos. Logo abaixo, a intromissão de um gaiato: E nos dias de chuva?
 
Mal pisamos a Espanha, lemos na fachada de uma casa, em letras garrafais: Te odio, te odio y te odio!
 
Em Vigo almoçamos no restaurante El Mosquito os mais deliciosos frutos do mar. Jorge fez questão de passar com Arlete por uma papelaria, nossa conhecida, atração e divertimento de brasileiros que por ela passam, interessados no nome do proprietário escrito na fachada da casa comercial: Papeteria Juan Buceta.
 
Nosso destino era Santiago de Compostela, passaríamos, a caminho, por Pontevedra, onde tínhamos amigos. Lá encontraríamos Manolo ou José Alberto Moreira, donos do melhor antiquário da Bahia. Os Moreira tinham em Pontevedra uma sucursal ou matriz, não sei, da casa de antigüidades. Nessa cidade também viviam alguns baianos casados com galegos. Por onde passávamos íamos encontrando conhecidos.
 
Santiago de Compostela é a cidade de meus encantos. Não víamos a hora de chegar à catedral, não queríamos perder a impressionante cerimônia do bota fumero, quando um gigantesco turíbulo suspenso ao alto por grossas cordas é balançado de um lado a outro da igreja, a velocidade aumentando cada vez mais, a fumaça do incenso se espalhando, invadindo tudo.
 
Havia fila para reverenciar Santiago de Compostela, cuja imagem estava instalada no centro do altar-mor.
 
Paramos para ver, dentro do templo, nas suas laterais, enormes pinturas, onde Santiago, montado a cavalo, de espada em punho, decepa cabeças, mata os mouros que o rodeiam. Por isso o chamavam Santiago Mata Moros, explicava um guia de turismo a um grupo queacompanhava.
 
Eu estava doida para me aproximar da imagem, no altar, ao alto,coisa fácil pois era só subir uma escadinha atrás, que dava acesso àscostas do santo. Esperei que um grupo de turistas acabasse de subir, fui atrás. Naquele ambiente sombrio, a proximidade com a imagem me impressionou. Queria dar-lhe um beijinho e para completar o carinho devia também abraçá-lo. No momento em que o abraçava e beijava-lheas costas, ouvi uma gargalhada, aliás, duas gargalhadas. Sem me separar de Santiago, olhei para o lado, onde Arlete e Paloma morriam de rir. Eu não estava ali por caçoada, nem por devoção, apenas tivera esse ímpeto e fora adiante. Não sei se foi impressão minha ou não, senti Santiago tremer na base, não devia estar muito preso. Nesses momentos a gente pensa nos maiores absurdos, e eu pensei: e se aimagem desabar sobre o altar e eu junto, grudada em suas costas?
 
Atacou-me uma vontade louca de rir, sobretudo ao ver que Jorgec hegara junto à escadinha e ria com as duas. Não conseguia me soltar do santo, atrás de mim a fila aumentava e eu ali, fingindo que choravade emoção, recurso instintivo, evitaria ser linchada caso descobrissem afalta de respeito, rir daquele jeito nas costas de Santiago deCompostela. Situação tragicômica, inesquecível, nos rende boas risadas todas as vezes que a recordamos. Nosso destino era a França onde pararíamos uns poucos dias em Paris, antes de prosseguirmos a viagem para a Escandinávia (pp. 199-200).
Joseph redigiu esta postagem